Tagged with " Sírio-Libanês"
nov 1, 2011 - Poligrafia    6 Comments

Saberia quanto custa ser herói…

Abundância em medicina é penúria. (Miguel Couto)

Esse segredo ou há de ser formal e absoluto, ou, se não o for, não passará de um embuste grosseiro, de uma arlequinada indecorosa, de uma farsa infamante de um homem de bem. (Francisco de Castro)

 

No sábado, 29, como de costume, cheguei à triagem do hospital público onde trabalho, às sete… Ali não tem lugar a presunção; se algum notável lá chega é por obra do acaso, se o coma, na circunstância de um acidente, lhe rouba a consciência… Por volta das 10 recebi um paciente de 56 anos, pouco mais jovem que o outro, que à mesma hora, sem que eu o soubesse, era assistido por uma equipe de notáveis especialistas do Sírio-Libanês, hospital de excelência, lá na Paulicéia desvairada. A mesma desdita em circunstâncias contrárias…

Quando tornei à minha casa e liguei a televisão, só me deparei com o câncer de ex-presidente da República… No Globo News o apresentador entrevistava um notável cirurgião, especialista em câncer, que lhe respondia perguntas tolas… Ali, naquele ambiente, parecia-me que o que contava, para além da informação, era a audiência, isto é: pontos no IBOBE… Nesse ridículo consultório midiático, apresentador-médico e médico-apresentador, que nunca viram o paciente, revelavam detalhes de sua doença, como se o tivessem examinado com rigor propedêutico… Era a medicina a serviço do desserviço, em busca da notoriedade fugaz…

Um desenho da laringe foi projetado no écran e a voz do especialista, em fundo, discorria sobre a anatomia do órgão e opinava acerca a localização do tumor que acomete o ex-presidente. Pausa! A repórter, em link direto do Sírio-Libanês, precisava comunicar: “O ex-presidente deixará nesse momento o hospital, com diagnóstico confirmado e tratamento definido, que terá início amanhã às nove horas”.

A equação é esta: Prestigio pessoal do paciente + especialistas dedicados ao caso + todos os recursos técnicos arregimentados = eficiência no diagnóstico e tempestividade da terapêutica, que resulta, sempre, quando a doença o permite, em bom prognóstico. Oxalá fosse sempre assim, com os outros doentes…

O paciente retornará ao Sírio-Libanês para colocação de um cateter e iniciar a “quimioterapia de indução”, disse o apresentador, com autoridade de prescribente… Amanhã, quando a primeira dose de quimioterápico lhe correr pela veia, a eficiência terá batido recorde: menos de 72 horas, do diagnóstico à terapêutica, para ventura do paciente! Nesse lapso, a mídia se incumbiu de difundir uma abundância de aulas de anatomia, de patologia, de oncologia e de terapêutica, de fazer inveja a muitos cursos médicos que há por aí. Por outro lado, a penúria da deontologia, cooptada pela imbecilidade do utilitarismo…

Bem diferente, no que se refere à atenção, é o caso do outro paciente… Luta, há meses, para conseguir o tratamento de um câncer de estômago. Magro, espoliado, desidratado, com anemia profunda, causada pela ação cunsumptiva da doença, deparei-me com ele no curso de um acidente vascular cerebral, que lhe causou paralisia do lado esquerdo do corpo. Como se diz no sertão: para cima de queda, coice! Disse-me sua filha, que o acompanhava, que já estava cansada de bater de porta em porta, e ouvir a resposta padrão: “Não é caso para este hospital!

Velho clínico, em caminho da retirada, sem nenhum cabedal de especialidade (com a convicção de que a medicina é, na atualidade, uma profissão eficaz para os bem sucedidos) o admiti e fiz o que me estava ao alcance: prescrever hidratação, sedação da dor (sedare dolorem opus divinum est) e transfusão de sangue; requisitar tomografia computadorizada do crânio e avaliação neurológica. Quando saí do hospital o deixei deitado numa maca metálica, ainda sem o colchonete, entre outras, num espaço que não permitia mais que 15 centímetros de separação entre elas, resistindo estoicamente, sem esboçar nenhum queixume…

Longe de mim a apologia da igualdade entre os homens. Minha ingenuidade não chega a esse dislate, nem acalenta a hipocrisia de tratamento igualitário entre os pacientes que inspiraram estas linhas. A prática, com a qual me defronto diariamente, desmentiria a impostura.

Se os coloco em confronto, a esses dois pacientes, similares apenas na desdita do câncer, não é para reclamar, para o que assisti, o mesmo tratamento dispensado ao ex-presidente da República. Sei que entre ambos há uma distância astronômica, que nunca será transposta, malgrado a letra (morta) da Constituição… Para um, penúria; para o outro, abundância, garantidas pelo Estado, sem nenhum constrangimento moral. Confronto-os para constatar que um deles teve a oportunidade, como Presidente da República por oito anos, de acabar com as humilhações que os outros pacientes passam em face da doença, sem a menor insinuação de que foram diferentes os oitos anos do seu antecessor, o sociólogo. Nem a sociologia de um, nem a experiência de nordestino retirante do outro, em dezesseis anos de governo, resistiram à corrupção do mando… Há muitas décadas a saúde pública, nesta desgraçada nacionalidade, vem decaindo a passos largos, impondo a quem necessita de seus serviços as mais cruéis humilhações, de fazer corar a própria indignidade.

Virá, a seguir, a outra tediosa face da hipocrisia: a construção do herói que luta bravamente para vencer o câncer, fazendo ciclópicos sacrifícios… Não fumará mais Partagas; não beberá mais Romnée-Conti; não tomará mais um trago da Anísio Santiago… Enfrentará o tédio de consultórios luxuosos, sem espera nem fila; onde afáveis médicos e enfermeiras educadíssimas lhe serão sempre solícitos… Não precisará se preocupar com a quitação fatura do convênio para obter autorização dos procedimentos, porque com ou sem autorização eles serão realizados tempestivamente. Ah, a conta… Imaginem… importunar o paciente com essa ninharia: a “dignidade do cargo”, enfim, para que serve? Eis, ai, como esta República engendra seus heróis…

Saindo ontem da visita que fez ao paciente, a Presidente da República não economizou otimismo: “Ele está com um humor excepcional!” Como alguém, mentalmente sadio, pode apresentar humor excepcional sabendo-se portador de um tumor maligno na laringe? Confesso que não alcanço os fundamentos dessa psicologia, que me parece um disfarce, intencionalmente produzido para enganar incautos. Nessa fase inicial de incertezas, de uma doença grave, reclama-se, para o bem do paciente, discrição e prudência…

Fizeram a mesma coisa com o ex-vice-presidente José de Alencar: “herói de ocasião”, cujo heroísmo, no enfrentamento da doença, dependeu seguramente do seu prestígio, de médicos competentes, de bons hospitais, de recursos terapêuticos avançados, da mordomia oficial, tudo à deposição, a tempo e a hora, facilitando-lhe a resistência para vencer as vicissitudes impostas pela gravidade do mal.  Mas, se esse mesmo vencedor tivesse que experimentar a indiferença nos hospitais e ambulatórios do SUS; precisar da tal central de regulação; tentar fazer uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética; esperar meses sem conta por uma cirurgia, para tratar o câncer, não teria resistido o quanto resistiu… Saberia quanto custa ser herói!

 

Fernando Guedes
31/10/2011

 

out 22, 2010 - Poligrafia    No Comments

Nessa situação, o paradigma é falso…

Não o conheço; nunca o vi de perto. O Sr. José de Alencar, empresário mineiro, vice-presidente da república, cuja doença é divulgada com detalhes pela mídia, foi elevado à categoria de herói, em face da bravura com a qual enfrenta e combate o mal que o consome. É o que dizem…

Um dos compromissos políticos da primeira candidata da situação, Sra. Dilma Rousseff, em 11/9/2010, foi visitar o Sr. José de Alencar então internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Ao sair da visita, diante da idiotia midiática, declarou estar muito emocionada ao ver a “feição extremamente saudável” de Alencar, e arrematou: “Ele é um guerreiro, não vai se entregar”.

Não comentarei a ignorância médica da candidata, que, sendo quem é, devia ter a discrição de nada comentar acerca do estado de saúde do paciente. Portanto, de mim, nenhuma palavra sobre o prognóstico de José de Alencar!

Mas, o caso extrapola o âmbito médico, para suscitar uma relação sócio-econômica, que pode e dever ser comentada. Veja bem, o paciente é empresário, dono de grandes haveres, além de ser o vice-presidente da republica, com as regalias decorrentes da função que ocupa.

Adoeceu em Brasília, toma-se o avião da vice-presidência e voa para São Paulo. Pousa na base aérea, da Aeronáutica, onde um helicóptero o espera. Toma-o e decola para o heliporto do Hospital Sírio-Libanês, onde uma equipe de especialistas médicos está de prontidão, para atendê-lo. Chegando ao hospital vai direto para a suíte, ou para a UTI, porque a vaga já esta reservada. Faz, no mesmo instante, todos os exames, do simples hemograma a mais sofisticada ressonância magnética, e não precisa esperar para receber os resultados, porque os médicos se incumbem de obtê-los.

Sem nenhuma demora, inicia-se a terapêutica indicada, com drogas e procedimentos de última geração. Conforto, atenção, prontidão… Se for necessário ir aos Estados Unidos, o avião está abastecido e a tripulação a postos. Hospital e médicos lá avisados, para recebê-lo. Embaixada e Consulado à sua disposição, para desembaraçar o que for necessário!

Vamos à antítese… Se o Sr. Alencar não fosse quem é e necessitasse acordar às 4 da manhã para enfrentar a fila no SUS, se deparar com a indiferença de funcionários e de médicos, amargar a demora para conseguir fazer exames complementares, sem acesso à medicação e a procedimentos de alto custo, resistiria o quanto tem resistido? Seria o herói que é? Se isso acontecesse, o mérito não era da moderna medicina, era de um milagre. Alencar, não seria um herói, seria um santo!

Mas, como as coisas não são assim, malgrado o seu otimismo contagiante, ele resiste porque tem as condições para resistir, e, nessa situação, o paradigma é falso…

Fernando Guedes

18/10/2010